Carlos Vereza

Loading...

MENU

Navegue pelas veredas do Vereza clicando nas opções abaixo:

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Adulteração!!!

Queridos seguidores, desculpem a reiteração. Graças à vocês,transformou-se em uma corrente,o texto-2010-cristais quebrados. Infelizmente,nem todos entendem o significado maior da internet,que a meu ver,deveria ser um forum de debates,se possivel,baseado em fatos,lealmente comprovados.Ocorre,que um "colaborador" indesejado,acrescentou alguns parágrafos no citado texto,de maneira grosseira e vulgar. Decididamente,não é o meu,digamos,"estilo." O original,encontra-se em meu blog. Grato. Um abraço do Carlos Vereza

11 comentários:

Marcia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lair disse...

Poxa Márcia, esse texto é decorado? Todos vocês falam a mesma coisa. Que chato, hein?!

Marquer disse...

Eles pensam em bloco, Lair! Se, se aventurarem no individualismo, temem mudar de opinião e diferenciar da massa moldada...risos! Ja notou que o discurso e os jargões são sempre os mesmos?

O mais engraçado de tudo é que, se o papo rolar para saude, educação, segurança e serviços basicos mantenedores da sociedade, eles se complicam!

Se falarmos de NIOBIO então, aí que a coisa descamba para a baixaria total...risos!!!!

Marcia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marquer disse...

Vereza,

Estarei postanto em meu blog (apesar de ser apenas um bloguinho pessoal sem qualquer pretenção), no dia 25 deste, o texto "2010-cristais quebrados", diretamente copiado daqui. Quem sabe dando bastante força, os que gostam da falsidade vejam seus esforços maldosos irem por agua abaixo!

Grande abraço, Vereza.

Delma disse...

Hoje, no dia Nacional do Indio e durante a semana do Indío, o nosso governo simplesmente fará um "leilão" amanhã para a construção da hidroelétrica em Monte Belo, cuja obra estava sendo vetada há 30 anos por outros governantes.
Não seremos afetados por esta obra, pelo menos nesta geração.
Mas após os 10 anos da construção, quem dará a resposta solicitada pelas futuras gerações, à respeito da dizimação das 15 tribos que habitam a região, da flora, da fauna e com certeza, do agravamento do aquecimento global.
O Brazil é gigantesco! Há outras regiões para construírem esta hidroelétrica, que realmente beneficiariam populações mais necessitadas.
Se após 37 anos, a mega hidroelétrica de Itaipu, está secando, é só fazer as contas de quanto tempo levará para secar a Amazonia...
Inclusive, quando os 500 mil hectares forem inundados, outras terras ficarão à vista! A vista do petróleo, das plantações irregulares de
cana-de-açucar (pró-alcool), das criações bovinas, etc...
Assistam estes vídeos e tirem suas conclusões, e se possível, repassem!

http://www.youtube.com/watch?v=ZmOozYXozb8

http://www.youtube.com/watch?v=AUCCdCWzTfE

http://www.youtube.com/watch?v=KJvTriSFOss

Abraços nos corações. mentes e alma!

Delma Godoy disse...

19 de abril
Dia do índio nasceu em 1940 no Congresso Interamericano
Da Redação
Em São Paulo

Segundo fontes oficiais, o
Brasil tem hoje 206 etnias


19 de abril de 1940 foi a data em que os delegados indígenas se reuniram pela 1ª vez em assembléia no Congresso Interamericano. Todos os países da América foram convidados a participar dessa celebração.

Reunida em Patzcuaro (México), a assembléia aprovou, entre outras propostas, o estabelecimento do Dia do Índio pelos governos dos países americanos. Este dia seria dedicado ao estudo do problema do índio atual pelas diversas instituições de ensino.

Segundo fontes oficiais, o Brasil tem hoje cerca de 560 terras indígenas e aproximadamente 460 mil índios. São 206 povos (ou etnias), concentrados, em sua maioria - 70% do total -, numa parcela da Amazônia Legal que engloba seis Estados: Amazonas, Acre, Roraima, Rondônia, Mato Grosso e Pará. Além disso, a Funai (Fundação Nacional do Índio) também registra a existência de 40 povos isolados na Amazônia Ocidental.

Em densidade populacional, os seis maiores povos indígenas do Brasil são Guarani (30 mil), Ticuna (23 mil), Kaingang (20 mil), Macuxi (15 mil), Guajajara (10 mil), Yanomami (9.975).

Índice de desenvolvimento
Um estudo inédito do economista Marcelo Paixão, coordenador do Observatório Afro-Brasileiro, mostra que a população indígena brasileira apresenta um IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) próximo ao da Bolívia.

O IDH é um indicador da ONU que aponta o padrão de desenvolvimento humano em cada país. Ele é calculado a partir de indicadores de escolaridade, renda e expectativa de vida. O valor encontrado varia de zero, o pior desenvolvimento humano possível, a um, o melhor. Um índice acima de 0,800 é considerado de alto desenvolvimento humano.

Para o Brasil, o índice fica em 0,790, o que coloca o país na 62ª posição do ranking de 177 países divulgado em 2004. Os índios têm IDH de 0,683, próximo da Bolívia (114º no ranking).

Outros dados da tese mostram que não é apenas no desenvolvimento humano que os indígenas têm os piores índices. A taxa de mortalidade por desnutrição na população indígena adulta é de 11,2 por 100 mil habitantes, contra a média de 4,3 da população brasileira. A proporção de indigentes também é maior: 45% da população, contra 23% da média do país.

Origem
Os povos indígenas que hoje vivem na América do Sul são originários de povos caçadores vindos da América do Norte através do istmo do Panamá. Há milhares de anos -não há consenso entre os arqueólogos sobre a antigüidade da ocupação humana na América do Sul-, os povos indígenas ocuparam virtualmente toda a extensão do continente. De lá para cá essas populações desenvolveram diferentes modos de uso e manejo dos recursos naturais e formas de organização social distintas entre si.

Tradicionalmente, as sociedades indígenas não se fixavam a um mesmo território por muito tempo. As aldeias indígenas eram organizadas, levando-se em consideração a quantidade, a qualidade e a distribuição espacial dos recursos indispensáveis ao desenvolvimento de suas comunidades.

Delma Godoy disse...

No Brasil, desde o século 16, existem instrumentos legais que definem e propõem uma política para os índios, fundamentados na discussão da legitimidade do direito dos índios ao domínio e soberania de suas terras. Esse direito - ou não - dos índios ao território que habitam está registrado em diferentes legislações portuguesas, envolvendo Cartas Régias, Alvarás, Regimentos etc.

Política indigenista
Até 1988, a política indigenista brasileira estava centrada nas atividades voltadas à incorporação dos índios à comunhão nacional, princípio indigenista presente nas Constituições de 1934, 1946, 1967 e 1969. A Constituição de 1988 suprimiu essa diretriz, reconhecendo aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam.

Os índios também ampliaram sua cidadania, já são partes legítimas para ingressar em juízo em defesa de seus direitos e interesses. Assim, o principal objetivo da política indigenista hoje é a preservação das culturas indígenas, através da garantia de suas terras, e o desenvolvimento de atividades educacionais e sanitárias.

Entretanto, a insuficiência de recursos oficiais, a integração cada vez mais comum do índio às sociedades urbanas e os conflitos raciais e sociais dos povos brasileiros têm colocado em risco a concretização das propostas políticas e direitos indígenas garantidos por Constituição.


Fonte: Museu do Índio / Funai e Folha de S.Paulo

Vânia disse...

Caro Carlos Vereza,
Recebi seu texto "Cristais Quebrados" por e-mail. Fiquei desconfiada - como boa mineira que sou - já que atribuem-se muitos textos a pessoas famosas. Mas, para minha agradável surpresa, após uma busca pela internet, descobri que era verdade: o senhor era mesmo o autor!

Quero dizer-lhe que sempre o admirei como ator e agora, admiro-o como cidadão!

Grande abraço,
Vânia.

Zergui disse...

Caro Carlos Vereza.
Penso que seria interessante que os prezados internautas, sedentos e famintos por informações, tornassem usual a prática de procurar sempre a veracidade de qualquer tema mais polêmico.
Não tendo a pretensão de ser dono da verdade, apenas o de um simples técnico que acostumou-se a pesquisar no google a existência ou não das informações que são recebidas e, principalmente, as que compartilho com meus contatos ou no blog.
Evita mal entendidos e má interpretação do caráter das pessoas, como muitos "pretendem dar a entender em seus comentários".
Um abraço.