Carlos Vereza

Loading...

MENU

Navegue pelas veredas do Vereza clicando nas opções abaixo:

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Palhares. O chapa branca.

Palhares abriu a geladeira. Tomou pela garrafa o que seria meio copo de vodka. Morava na rua Taylor, Lapa, 43 graus e 50 e 2 de sensação termica. Ligou o celular criptografado, presente de um senador gente boa. Recado: plantar na internet uma fotografia de FHC abraçado com Fidel Castro. Voltou pra sala. Ligou o ar mas uma palheta estava enpenada e não deixava Palhares se concentrar. Precisava subir no sofá pra desligar. Era baixo. Baixo, não. Estatura mediana. Baixo, sim, e d...aí? Mas era o "capo", o cara que chefiava um esquadrão de blogueiros chapas brancas. Pesquisou no seu arquivo eletrônico particular. Nada de google, coisa de amador. Encontrou a foto do FHC mas nenhuma abraçado ao Fidel. Deu uma pensada, foi a cozinha, deu mais uma golada na vodka (sovietica) agrado do gerente de um banco que financiava a rapaziada, voltou pra sala, trazendo a garrafa. Deu mais uma procurada e lá estavam mais de cinquenta fotos do cubano. Palhares era expert. Colar uma foto na outra com adesivo "invisível" era moleza. Em questão de minutos os dois estavam abraçados como amiguinhos de infância. Tocou o telefone. O outro, para ligações normais. Era Juninha, sua filha com Edneide, lembrando que este fim de semana era a vez de Palhares ficar com a menina. Tremeu. Daqui a pouco Jofre, o hacker, viria pegar a colagem e infiltrar em toda a rede nacional com texto, testemunha e tudo. " E aí, papai? Vem me buscar?" Amava a menina, mas aprendera no catecismo, "que primeiro a obrigação. Depois a devoção." Fazer o quê?! Nem Lenin nem Trotski poderiam lhe ajudar...Bebeu quase a garrafa inteira enquanto Juninha repetia: "Vem, papai?" Estava Palhares nesta duvida existencial quando os três toques na porta -era a senha- lhe devolveu a sobriedade. Fez voz de rouco; "papai está muito resfriado. Fica pra semana que vem, viu, meu anjo?" Quando Jofre entrou, a porta estava encostada, deparou-se com Palhares sentado no chão, de cuecas, aos prantos, e murmurando um verso de Fernando Pessoa: "- Meu Deus...O que fiz da minha vida?" Na foto-montagem, FHC e Fidel "abraçados" sorriam.. sorriam...

Nenhum comentário: