Carlos Vereza

Loading...

MENU

Navegue pelas veredas do Vereza clicando nas opções abaixo:

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

INESQUECÍVEIS!

Inesquecíveis: Lewandoswiski - Toffoli - Rosa Weber - Barroso - Carmem Lúcia - Teori.

A canalhice pode chegar a níveis inesperados em tratando-se do Brasil sob a dominação petista.
A manipulação de colocar cúmplices para desmontar o julgamento do mensalão afronta as pessoas dignas e honestas deste país.

Eles citam frases em latim. Verborrágicos. Vendidos. O esquema gramscista finalmente tem os três poderes dominados.

Lula e Dilma. Chaves e Maduro. Morales. Correia. A dissolução das estruturas democráticas. Dos valores de família. A diversidade sexual. Quilombolas. Cotas raciais. A estratégia fascista de permanência no poder.

Inesquecível, também, o ministro Celso de Mello, que ao admitir os embargos infringentes, propiciou um novo julgamento e a consequente absolvição da quadrilha.

Carlos Vereza.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

QUANTAS MÃOS?!

Quantas mãos assassinaram o cinegrafista Santiago Andrade? Quais são os interesses partidários que financiam estas manifestações? Perguntas, que provavelmente, ficarão sem respostas.
A tragédia, há muito estava sendo prevista. O clima de confrontação, Blac Blocs, policiais sendo demonizados quando defendiam o patrimônio público, adubavam a irracionalidade que resultou na morte de Santiago.

Vivemos em estado sonambúlico, com um país divulgado como exemplo em todos os setores da sociedade, e um país que se desfaz, politica, econômica e financeiramente. Esquizofrenia total.
Dilma aparenta ser a presidente, mas nada realiza sem consultar o mandatário de fato: Inácio da Silva.

Manifestações, com certeza, ocorrerão durante a Copa. O absurdo investimento nas arenas ou Coliseus modernos, é uma agressão ao bom senso, num país carente na saúde, educação, segurança, infraestrutura.

Deus nos proteja de novos mártires, de novos enfrentamentos. Que o povo, saia desta hipnótica alienação, e possamos avançar rumo à uma verdadeira democracia nas próximas eleições.

Carlos Vereza.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

DOIS ACONTECIMENTOS QUE MUDARAM O MUNDO

Em 31 de Março de 1848 o mundo deixou de ser o mesmo. Karl Marx e Frederick Engels lançam o Manifesto comunista propondo a transformação da sociedade capitalista através das lutas de classes e a mudança radical dos meios de produção.
Neste mesmo 31 de Março de 1848, em um subúrbio humilde de Nova Yorque, Hydesville, duas jovens, Kate, nove anos, e,  Margareth, doze anos, as irmãs Fox trazem à luz o que poderemos chamar de o Espiritismo contemporâneo.
Sobre Marx e Engels sabemos o suficiente sobre suas convicções de que a Revolução eclodiria na Inglaterra, o que não ocorreu, sendo, para surpresa dos dois vindo a acontecer na Rússia Czarista iniciada por um motim no Encouraçado Potenkin.
Em Hydesville, Kate e Margareth  começaram a ouvir pancadas provenientes do porão de sua casa. As batidas apresentavam uma certa regularidade. Com o tempo, as meninas passaram a responder aos toques e estabeleceu-se um estranho diálogo que revelava a presença de alguém sob o assoalho da residência. Este alguém, através dos “raps”, apresentou-se como o espirito de um caixeiro viajante e afirmara que fora assassinado nesta mesma casa por inquilinos anteriores.
Escavado, tempos depois o porão, é encontrado um cadáver em avançado estado de decomposição. A noticia correu como um rastilho de pólvora chegando à Europa, onde se iniciavam as reuniões das mesas girantes ou falantes, com a presença de um cético – Hippolite Léon Denizard Rivail – que convencido da existência de ação espiritual sobre os fenômenos, foi escolhido pelo Espirito de Verdade para ser o Codificador da Doutrina espírita, então com o pseudônimo de Allan Kardec.
Sobre a teoria de Marx e Engels, generosa enquanto concepção, fracassou como experimentação em todos os países onde foi aplicada.
Carlos Vereza.

A QUEM RECORRER?!

Estão colocados todos os fatores que indicam a dissolução das mínimas regras democráticas em nosso país.
A morte do cinegrafista da Bandeirantes, Santiago Andrade, com baderneiros remunerados por organizações políticas, deve ser encarada por toda a sociedade como um alerta e uma tomada de consciência ante a evidência de que caminhamos rumo à barbárie.
As mais que justas manifestações da população não podem ter o seu caráter pacifico deturpadas por meliantes organizados exatamente para atemorizar, os que propugnam melhores condições de vida para a sociedade brasileira.
A demonização da imprensa por setores governamentais, que não conseguem conviver com o contraditório, tem resultado em reiterados ataques aos profissionais, que são regularmente agredidos quando em exercício de suas funções.
Quando a autoridade máxima do país declara que para vencer eleições, “vale fazer o diabo”; autoridade esta, que deveria por seu cargo estimular a pacificação e a urbanidade entre todos os brasileiros, e não comportar-se como membro de uma associação partidária, o país fica à deriva assaltado por facções sectárias que têm o caos como objetivo para a realização de seus interesses.
Há muito a serpente saiu do ovo e a morte de Santiago era uma questão de tempo. Não queremos e não podemos admitir novos mártires. A quem recorrer?!
Carlos Vereza.